voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Domingo, 13 de Janeiro de 1901Morte de Giuseppe Verdi

00076

0102
Giuseppe Verdi morreu em Milão, Itália. Nascido a 10 de Outubro de 1813, em Roncole, no grão-ducado de Parma, Verdi iniciou a sua educação musical aos 7 anos, com o organista da igreja de San Michele Arcangelo, que três anos mais tarde substituíu. Em 1823, muda-se para Busseto onde tem aulas de música durante quatro anos. No ano de 1832, e após ter terminado a sua educação musical em Milão, tendo como principal mestre Vincenzo Lavigna, compositor e maestro da orquestra do Teatro La Scala, tentou sem sucesso a admissão ao Conservatório de Milão. Verdi regressa, então, a Busseto como director da Sociedade Filarmónica e, a 4 de Maio de 1836, casa com Margherita Barezzi de quem teve dois filhos. Em 1839, volta para Milão onde estreia, no La Scala, com enorme sucesso, a sua primeira ópera "Oberto". As mortes, em 1840, de sua mulher e dos seus dois filhos deixaram Verdi num profundo desgosto. A estreia, nesse mesmo ano, da sua segunda ópera, "Un Giorno di Regno", que foi um absoluto fracasso, levou Verdi a pensar em desistir da carreira como compositor. No entanto, o apoio de um membro da direcção do La Scala demoveu-o de tal atitude e Verdi continuou a compor. As óperas "Nabucco" (1842) e "I Lombardi alla prima Crociata" (1843), apresentadas, ambas, em Milão, foram êxitos completos, transformando Verdi num compositor célebre. A história de Nabuco, baseada na versão bíblica do êxodo dos judeus, teve profunda influência na Itália contemporânea, que despertava para a sua unidade, libertando-se da ocupação austríaca. O coro Va pensiero tornou-se expressão dessa resistência. De tal modo que as paredes das cidades apareciam escritas com a expressão "VIVA VERDI", acrónimo de "Vittorio Emanuele Re D'Italia". Verdi compôs ainda as seguintes óperas: "Ernani" (1844, Veneza), "I Due Foscari" (1844, Roma), "Giovanna d'Arco" (1845, Milão), "Alzira" (1845, Nápoles), "Attila" (1846, Veneza), "Macbeth I" (1847, Florença), "I Masnadieri" (1847, Londres), "Jérusalem", uma nova versão de "I Lombardi", (1847, Paris), "Il Corsaro" (1848, Trieste), "La Battaglia di Legnano" (1849, Roma), "Luisa Miller" (1849, Nápoles), "Stiffelio" (1850, Trieste), "Rigoletto" (1851, Veneza), "Il Trovatore" (1853, Roma), "La Traviata" (1853, Veneza), "Les Vepres Siciliennes" (1855, Paris), "Simon Boccanegra I" (1857, Veneza), "Aroldo", uma nova versão de "Stiffelio", (1857,Rimini), "Un Ballo in Maschera" (1859, Roma), "La Forza del Destino I" (1862,St. Petersburgo), "Macbeth II" (1865, Paris), "Don Carlos" (1867, Paris), "La Forza del Destino II" (1869, Milão), "Aida" (1871, Cairo) "Simon Boccanegra II" (1881, Milão), "Don Carlo II" (1884, Milão), " Otello" (1887, Milão) e "Falstaff "(1893, Milão). Em 1862, escreveu, o "Hino das Nações" para a Exposição Universal de Londres. Em 1859, Verdi tornou-se membro da Academia de Belas-Artes de Paris, em 1861 foi eleito para a Câmara dos Deputados de Itália e, no ano de 1874, foi nomeado Senador. Verdi revelou um estilo teatral, dramático, com "desigualdades e negligências harmónicas" e intensidade rítmica, que caracterizou um período de profundo Patriotismo italiano, o Risorgimento.

ano: 1901 | tema: Cultura
palavras-chave: Música Ópera Verdi 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt