voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Quarta-feira, 20 de Novembro de 1901Acordo para a construção do canal do Panamá

00122

01
Um acordo cria as condições para a construção norte-americana do canal do Panamá com a cedência de uma "zona neutral". A ideia de abrir um curso de água que unisse os oceanos Atlântico e o Pacífico através do Istmo do Panamá, surgiu no início do século XVI quando Carlos V, no ano de 1534, emitiu um decreto ordenando ao governador regional do Panamá que elaborasse planos para a construção de um percurso em direcção ao Pacífico seguindo o Rio Chagres. A descoberta de ouro na Califórnia em 1848 e o consequente aumento do volume de comércio, que se fazia essencialmente por terra, despertou o interesse dos Estados Unidos da América na construção de um canal que unisse os oceanos Atlântico e Pacífico e que facilitasse as trocas comerciais. A subida ao poder, em 1869, de Ulysses S. Grant, como Presidente dos Estados Unidos da América, reforçou a intenção norte-americana de construir esse canal. O Presidente Grant nomeou uma "Comissão do Canal Interoceanico" para avaliar as expedições realizadas pela Armada entre 1870 e 1875, Comissão essa que, em 1876, se pronunciou a favor de uma solução através da Nicarágua. Simultaneamente (1876), a Sociedade de Geografia de Paris organizou uma comissão integrada pela "Societé Civile Internationale du Canal Interocéanique de Darien", presidida por Ferdinand de Lesseps e que tinha como principal colaborador o Tenente da Armada francesa, Lucien N.B. Wyse, tendo por objectivo a cooperação internacional na realização de estudos geográficos sobre a América Central, com o intuito de construir um canal interoceânico. A 6 de Dezembro de 1877, Wyse explorou duas rotas no Panamá: a rota de San Blas e a rota que ía desde a Baía Limón até à cidade do Panamá. Tendo optado por esta última, o plano de Wyse consistia na construção de um canal ao nível do mar, paralelo à linha férrea do Panamá, através de um túnel de 7.720 metros de comprimento que passava pela Cordilheira Continental de Culebra. A 20 de Março de 1878, Wyse, assinou um tratado, com o governo colombiano, conhecido como "Concessão Wyse", em que era dado o direito exclusivo da construção do canal interoceanico através do Panamá à Sociedade de Geografia de Paris, revertendo a sua exploração para o governo colombiano, durante 99 anos. Face à inexistência de fundos, De Lesseps ainda lançou, em vão, uma subscrição pública e, em Janeiro de 1889, deu-se a última reunião da Companhia, onde foi decidida a sua dissolução. Os trabalhos ainda se mantiveram, apesar das dificuldades, durante alguns meses, mas, em de Maio de 1889, toda a actividade no Istmo parou. A 20 de Outubro de 1894, foi criada a "nova" Companhia do Canal do Panamá, que estabeleceu um comité técnico para rever os estudos e os trabalhos, com o objectivo de elaborar novos plans para terminar a construção do Canal. O escândalo com a "antiga" Companhia, a falta de fundos provenientes da emissão de acções, bem como a falta de apoios do governo, deixaram a direcção da "nova" Companhia do Canal do Panamá com poucas alternativas: ou abandonava o projecto, ou o vendia.

ano: 1901 | tema: Actividades Económicas
palavras-chave: Canal do Panamá 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt