voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Sábado, 14 de Junho de 1910A Maçonaria nomeia uma Comissão de Resistência

00602


Por proposta da Loja maçónica "Montanha", reúne-se no Grémio Lusitano o "Povo Maçónico" de Lisboa para "resolver tudo o que tivesse por conveniente com respeito às leis de excepção que têm levado alguns dos nosso Irmãos a serem perseguidos e nomeadamente dos decretos e leis respeitantes ao Juízo de Instrucção Criminal." "Com grande entusiasmo e por unanimidade", a assembleia aprovou uma proposta apresentada pelo Irmão Championet (Machado Santos, que era igualmente, desde o ano anterior, o dirigente máximo da Alta Venda, o poder executivo da Carbonária) que, entre outras medidas, decide delegar no Grão-Mestre a nomeação de cinco maçons para constituírem uma "Comissão de Resistência", com plenos poderes para "velar pela segurança dos Irmãos, defender a maçonaria dos ataques da reacção política e religiosa, guiando o trabalho dos Obreiros no mundo profano no interesse superior da Pátria e da segurança dos cidadãos". Ergue-se assim a "Comissão de Resistência", acima das restantes estruturas operacionais do movimento revolucionário em preparação, apresentando a seguinte composição inicial: Sebastião de Magalhães Lima (com o nome simbólico de João Huss), José de Castro (Lamartine), Machado Santos (Championet), Miguel Bombarda (Dartagnan), Francisco de Almeida Grandela (Pilatos), José Cordeiro Júnior (Lutero) e José António Simões Raposo (Castilho – ou Catão.). Esta composição viria a ser alargada, com a saída de Magalhães Lima, em missão no estrangeiro, e a entrada de novos membros: Cândido dos Reis (Pero de Alenquer), como representante militar do Directório, António José de Almeida (Álvaro Vaz de Almada) como representante civil, que se fez substituir por António Maria da Silva (Desmoulins) e Manuel Martins Cardoso (Elias Garcia), sendo estes dois últimos "representantes das organizações civis revolucionárias", ainda que Machado Santos apontasse este último como "um contrapezosito" à predominância carbonária.Por sua vez, o capitão Sá Cardoso e o tenente Helder Ribeiro funcionavam "como agentes de ligação entre os elementos civis e militares". Esta decisão será comunicada às diferentes estruturas maçónicas por uma circular secreta (a Circular n.º 12, de 20 de Junho de 1910, assinada por Prometheu, nome simbólico de Agostinho José Fortes).

ano: 1910 | tema: Vida Política
palavras-chave: Maçonaria Comissão de Resistência 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt