voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Domingo, 16 de Outubro de 1910Solenes exéquias de Miguel Bombarda e de Cândido dos Reis

00691

010203
Solenes exéquias do Dr. Miguel Bombarda e do almirante Cândido dos Reis. As urnas ficam na Câmara Municipal até dia 16. Por decreto de 13 de Outubro, publicado a 14, determina-se que os funerais de Carlos Cândido dos Reis e de Miguel Bombarda se realizem no dia 16 de Outubro e que sejam considerados funerais nacionais, de acordo com o programa aí publicado. As cerimónias teriam início ao meio-dia. O desfile do préstito fúnebre, a sair do edifício dos Paços do Concelho, teria à frente um corpo de marinheiros e os regimentos de Artilharia 1 e Infantaria 16 (peças fundamentais na revolução do 5 de Outubro), seguidos de bandas executando marchas fúnebres. O espaço seguinte estava reservado a colectividades e agremiações (especialmente as ligadas à educação e à maçonaria) que desejassem associar-se. Os féretros seguiam transportados em carretas pertencentes a Artilharia 1, ladeados por revolucionários civis. Atrás destes estavam os carros com as coroas, depois os membros do Governo Provisório, os representantes de Câmaras Municipais, Juntas de Paróquia, o funcionalismo e a imprensa. Por fim, forças militares da guarnição e o "povo", o "bom povo republicano". O desfile tem início na Praça do Comércio e faz uma primeira paragem no Largo Camões. Aí crianças da escola entoam o cântico escolar "Sementeira" e depõem flores. A segunda paragem é no Marquês de Pombal, "épico reduto", onde se realizam as solenes depedidas da cidade de Lisboa. No centro são colocadas as urnas com guarda de honra da Escola do Exército e Naval. Fazem alocuções o Presidente do Município de Lisboa e o Ministro do Interior (António José de Almeida). As urnas são cobertas por bandeiras nacionais, feitas para a ocasião, e toca-se A Portuguesa. Daqui segue para a Morais Soares, onde se fazem as saudações fúnebres do Governo Provisório. O final da cerimónia, no Alto de S. João, é marcado com uma salva de 15 tiros. Os candieiros e postos de iluminação nas ruas do trajecto devem estar acessos e envoltos em crepe.

ano: 1910 | tema: Vida Política
palavras-chave: Cândido dos Reis Miguel Bombarda António José de Almeida 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt