voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Sábado, 18 de Dezembro de 1920Questão da escravatura

039877


Uma sociedade antiesclavagista inglesa acusa Portugal, na Sociedade das Nações, de praticar escravatura em S. Tomé e Príncipe. Esta denúncia seguia-se a muitas outras, sendo a mais conhecida a de William A. Cadbury, conhecido chocolateiro, que, depois de ter constatado in loco as condições dos trabalhadores de S. Tomé, abandona os seus planos para a ilha e, a partir de 1908, recusa-se a comprar cacau de S. Tomé, juntamente com outras firmas. Cadbury publicou, aliás, em Londres o livro "Labour in Portuguese West Africa". A edição portuguesa, de 1910, tem como título: "Os serviçais de S. Tomé - Relatório de uma visita às ilhas de S. Tomé e Príncipe e a Angola, feita em 1908 para observar as condições da mão de obra empregada nas roças de cacau da África Portuguesa". O assunto embaraçaria a República nos anos seguintes. A Anti-Slavery & Aborigenes Protection Society, associação filantrópica inglesa, vai intensificar a sua campanha na imprensa inglesa, secundada no Parlamento. Em Maio de 1912, o Rev. Harris publica uma artigo criticando duramente a situação, iniciando-se uma campanha junto da opinião pública e do governo inglês. O governo inglês não abrandaria a sua pressão sobre Lisboa, relativamente a esta questão, até ao início da Primeira Guerra Mundial. Depois do fim desta, a pressão continuaria, culminando no relatório Ross, no final da República.

ano: 1920 | tema: Relações Internacionais/Questão Colonial
palavras-chave: Escravatura S. Tomé e Príncipe Cadbury 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt