voltar ao início
Arquivo & Biblioteca

Cronologia


[registo específico]
Domingo, 2 de Outubro de 1910Ordem Geral do Comité Civil

040979


A Comissão de Resistência aprova a Ordem Geral do Comité Civil com instruções para a actuação dos grupos civis revolucionários, que foi distribuída com o símbolo da Venda Jovem Portugal da Carbonária Portuguesa, tendo sido impressa "gratuitamente" na Tipografia dos irmãos Lamas, em Alcântara, de onde, aliás, se fez "o levantamento de cartuchame antes do 5 de Outubro" Esta Ordem Geral estabelece que "todo o cidadão da República deve regular o seu procedimento pelos ditames da Honra, do Patriotismo e da Humanidade", insistindo na necessidade de evitar "a efusão de sangue tanto quanto possível", determinando ao mesmo tempo que "todo o indivíduo que seja encontrado a assaltar residências particulares, a roubar, a assassinar inimigos indefesos, ou a cometer violências contra mulheres e crianças, será imediatamente fuzilado", contendo ainda indicações sobre os procedimentos a adoptar no controlo das forças militares e mandando cada grupo civil policiar os locais onde executou a sua missão. É importante sublinhar que a Carbonária Portuguesa, de directa inspiração maçónica, dirigida por Luz Almeida, António Maria da Silva e Machado Santos, mantinha entendimentos com a designada "Carbonária dos anarquistas", organizada por Heliodoro Salgado, também mação e republicano. Os "Bons Primos" da "Carbonária Lusitana" – designação oficial da Carbonária dos anarquistas, que, aliás, se reuniam num templo maçónico – colaboraram activamente na preparação do movimento revolucionário, designadamente através das ligações estabelecidas pelo carbonário Benjamim Rebelo. Raúl Brandão diz nas suas memórias, citando Simões Raposo, que, em Lisboa, "não seriam mais de dez mil os carbonários e aderentes, mas na realidade as forças que se podiam movimentar não chegavam a três mil homens. Em todo o país calculo os carbonários em trinta mil. Ao pé de cada quartel organizara-se um grupo civil, em contacto e comunicação directa com os soldados. – Mas no dia da revolução", conclui, "poucos apareceram".

ano: 1910 | tema: Vida Política
palavras-chave: Maçonaria Carbonária 

voltar



Fundação Mário Soares
Rua de S. Bento, 176 - 1200-821 Lisboa, Portugal
Telefones: (+ 351) 21 396 41 79 | (+ 351) 21 396 41 85 | Fax: (+ 351) 21 396 4156
fms@fmsoares.pt | arquivo@fmsoares.pt | direccao.casa-museu@fmsoares.pt